Eclipses – por Maria Gambina | 1 minuto de Astronomia

Pedro Ré

Os eclipses solares e lunares têm fascinado o homem desde os primórdios da História. A passagem da Lua em frente do Sol provoca os eclipses solares, enquanto um eclipse lunar ocorre quando a Lua passa pela sombra da Terra. Os eclipses do Sol só podem registar-se por ocasião da Lua nova. Em contrapartida, os eclipses da Lua registam-se por ocasião da Lua cheia.

Os eclipses solares podem ser totais, quando a Lua encobre por completo o sol, parciais quando apenas parte do Sol é encoberto pela Lua e anulares quando o diâmetro aparente da Lua é menor que o Sole a Lua não encobre por completo o astro rei.

Os eclipses lunares podem ser totais, quando o nosso satélite penetra completamente no cone de sombra projectado pela Terra, parciais quando apenas parte da Lua passa pela sombra da Terra e penumbraisquando a Lua não passa pelo cone de sombra e é apenas obscurecida pela penumbra da Terra. Ao contrário dos eclipses solares, que podem ser totais num determinado local e parciais noutro, os eclipses lunares podem ser observados em todo o hemisfério não iluminado do nosso planeta.

A fase de totalidade de um eclipse solar não pode ultrapassar 7,5 minutos. Em contrapartida, a fase de totalidade dos eclipses lunares pode durar mais de uma hora e meia.

Os eclipses solares são mais frequentes que os eclipses lunares. Os primeiros são visíveis somente numa área reduzida da Terra, enquanto que os segundos podem ser observados em grande parte do nosso planeta. A faixa em que um eclipse do Sol pode ser observado como total não pode ultrapassar os 269 km. Isto significa que em média um eclipse total do Sol pode ser visto de um mesmo local cada 375 anos.

Os diâmetros aparentes do Sol e da Lua são idênticos quando observados a partir da Terra. A Lua tem um diâmetro cerca de 400 vezes inferior ao do Sol, no entanto como se encontra 400 vezes mais perto da Terra, surge-nos com uma dimensão aparente idêntica à da nossa estrela. A distância da Terra ao Sol não é sempre a mesma. Do mesmo modo a distância da Terra à Lua varia de um modo significativo. Os diâmetros aparentes dos dois astros alternam-se ciclicamente, sendo este fenómeno mais evidente no caso da Lua. Por este motivo, os eclipses solares nunca são iguais e a fase de totalidade pode ter uma duração distinta. Quando o disco lunar não cobre por completo o disco solar, ocorre um eclipse anular. Durante um eclipse lunar, o nosso satélite é obscurecido quando passa através da sombra projectada pela Terra. Durante um eclipse total, a Lua adquire uma coloração avermelhada ou alaranjada. Esta coloração é conferida pelos raios solares refractados pelas camadas inferiores da atmosfera terrestre. Na sua fase de totalidade os eclipses podem ser mais escuros ou mais brilhantes, consoante a quantidade de matéria presente na atmosfera.

Os eclipses totais do Sol são sem dúvida um dos fenómenos naturais mais interessantes de observar e de fotografar. A totalidade pode durar apenas alguns minutos que devem ser devidamente apreciados. Algum planeamento prévio permitir-nos-á obter imagens do fenómeno e, ao mesmo tempo, observar o eclipse visualmente em boas condições e em segurança.

À medida que a fase de totalidade se aproxima, o céu adquire uma tonalidade própria muito difícil de descrever. O obscurecimento é evidente no horizonte oeste, sendo por vezes possível observar com nitidez a aproximação do cone de sombra projectado no nosso planeta.

Com o desaparecimento progressivo do crescente solar é por vezes possível observar durante alguns segundos alguns pontos intensos de luz espalhados irregularmente. São as “contas de Baily”, cujo nome deriva do astrónomo inglês que as descreveu pela primeira vez. As “contas de Baily” não são mais do que os últimos raios de luz solar que brilham através das irregularidades do bordo do disco lunar. Estas podem ser observadas cerca de 10 segundos antes da fase de totalidade que tem início após o segundo contacto. Quando são visíveis forma-se um efeito muito interessante que por vezes também é designado de “anel de diamante”. O efeito de “anel de diamante” corresponde à observação de uma única “conta de Baily”. Estes breves momentos anunciam o início da fase de totalidade.

Por esta altura, o céu fica momentaneamente escuro. Dependendo da altura no Sol na fase de totalidade, o horizonte pode apresentar um aspecto distinto, adquirindo uma coloração alaranjada e alguns efeitos de sombra interessantes de observar e fotografar. Apesar de o céu escurecer dramaticamente, nunca fica idêntico ao céu nocturno. Além da observação destes fenómenos, visíveis unicamente durante um eclipse total do Sol, algumas estrelas e planetas tornam-se aparentes e por vezes também cometas.

A coroa solar torna-se visível em toda a sua glória. Esta é somente aparente durante a fase de totalidade uma vez que a sua luminosidade intrínseca é muito inferior à da superfície solar. As dimensões da coroa solar são variáveis e dependentes do nível de actividade da nossa estrela. Podem atingir vários diâmetros do disco solar. A sua estrutura interna é muito rica. Com o auxílio de alguma ajuda óptica (binóculos ou telescópios) tornam-se evidentes alguns jactos e plumas.

Ainda durante a fase de totalidade é possível observar dois outros fenómenos dignos de nota. A luz da atmosfera solar ou cromosfera é visível como um disco de cor avermelhada durante os instantes correspondentes ao início e ao final da totalidade. Por esta altura também se tornam visíveis as protuberâncias solares, grandes quantidades de matéria que é ejectada da cromosfera que percorrem vários milhões de quilómetros desde a libertação até à sua queda seguindo as linhas de força do campo magnético solar. As protuberâncias apresentam uma coloração nítida, geralmente vermelho vivo.

Como fenómeno associado a um eclipse total do Sol assiste-se geralmente a uma quebra acentuada da temperatura do ar que provoca por vezes um aumento da velocidade do vento. Este vento é por vezes designado “vento de eclipse”. O comportamento animal é também afectado durante a fase de totalidade. Muitos organismos de hábitos nocturnos tornam-se momentaneamente activos (e vice-versa para os de hábitos diurnos).

~ por aia2009 em 10 de Novembro de 2009.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: